[pt] A desregulamentação ambiental encoberta pela crise do COVID-19 no Brasil

Em 2019 o mundo inteiro viu o Pantanal e o Amazonas queimarem. A área devastada foi equivalente os estados de São Paulo e Rio de Janeiro juntos. Em termos de comparação isso corresponde a cerca de 80% da área da Alemanha. As queimadas são comuns em períodos de seca, mas elas se agravaram com desmatamento ilegal na área. Na época, inúmeros chefes de Estado criticaram o Brasil pela sua inércia, e a Alemanha, assim como a Noruega, suspenderam o repasse de milhares de euros ao Fundo Amazônia.

A situação do meio ambiente no Brasil não melhorou desde então. Para piorar o cenário, o atual ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, revelou em uma gravação ministerial em abril deste ano que, com o aumento do número de casos de COVID-19 no Brasil, seria o momento oportuno para a aprovação da desregulamentação de leis ambientais no país, em outras palavras, facilitar o desmatamento em áreas de proteção ambiental e aliviar as penalidades até então aplicadas àqueles que violavam à legislação ambiental enquanto a atenção da mídia estaria voltada para a pandemia.

Depois dessa fala muitas organizações no Brasil se posicionaram veementemente contra essa fala. Dentre elas a organização internacional WWF Brasil. Convidamos para o podcast de hoje o Diretor Executivo do WWF Brasil, Mauricio Voivodic, que nos explicou em detalhes sobre a situação atual brasileira, o posicionamento do governo atual frente à questão ambiental, além de trazer valiosas contribuições sobre cooperação internacional e formas de pressão internacional para a proteção desse bem único: o meio ambiente.

avatar Mauricio Voivodic
avatar Fabian Kern Paypal Icon
avatar Stefani Rackes da Silva
avatar Livia Duarte

[pt] VIII Fórum Social Panamazônico (FOSPA)

O +1C@fé em parceria com a Rádio A Nave realizou um programa especial direto do VIII Fórum Social Panamazônico (FOSPA), que ocorreu na cidade de Tarapoto, no Peru. O evento teve a proposta de reunir indígenas, quilombolas, ribeirinhos e comunidades tradicionais que vivem na Amazônia. Ao todo, cerca de 2 mil pessoas dos nove países que cortam a maior floresta tropical do mundo participaram do encontro que debateu sobre alternativas para um novo modelo de desenvolvimento.

Além de discutir os impactos socioambientais gerados pela globalização, o Fórum também foi um espaço de integração cultural entre os povos da floresta. Toda a riqueza de cores e sotaques mostrou a diversidade presente na Amazônia. Aproveitamos a oportunidade e nos integramos neste caldeirão cultural.

Conversamos com Rafael Pindard, integrande do Movimento de Descolonização e Emancipação Social  (MDES), da Guiana Francesa sobre a situação do país de 300 mil pessoas que segue, em pleno século 21, em situação de ‘colônia’ da França. Pindard contou no programa sobre como é ser um país que vive sob as regras da União Europeia dentro da América do Sul e destacou os motivos que fazem com que os franceses não queiram abrir mão da Guiana.

Nossa segunda convidada vive numa comunidade tradicional chamada Mazagão Velho, localizada no interior do estado do Amapá. Joseane Calazans é
professora e historiadora. Ela realiza um trabalho de resgate da memória do seu povo junto com a comunidade que se tornou referência na região.

Mergulhe neste universo amazônico com a gente!
Ouça e compartilhe!

Convidados:

avatar Rafael Pindard
avatar Joseane Calazans

+1C@fé-Team:

avatar Jaqueline Deister
avatar Dilliany Justino
avatar Nils Brock
avatar Fabian Kern Paypal Icon